Primeira revelação: Olympus 35 SP

A Olympus 35 SP foi a primeira câmera que comprei pela internet (fora as compras na Lomography) e não pretendo repeti a operação, pois é bastante arriscado. O problema é que as pessoas que vendem câmeras antigas por um preço razoável nem sempre entendem bem sobre o equipamento e seus possíveis problemas não tão visíveis, e se por fora a câmera estava ótima (mesmo!), sua lente me fez perder alguns dinheiros para a limpeza, pois estava com fungos em nível bem avançado.

Mesmo assim, fiquei feliz, pois ela está superbonita e eu queria uma rangefinder compacta há bastante tempo já. O objetivo inicial era uma Canonet – e eu quasei comprei uma na feira do Bixiga em outubro, mas achei que estava muito destruída, arranhada. No final, resolvi esperar um pouco mais e achei essa SP, que está realmente bonita e funcional.

SpA 35 SP tem uma lente 42 mm com abertura 1.7, o que é sempre lindo. A velocidade varia de 1/500 a 1 segundo. Ela tem um fotômetro e a bateria até existe, mas nem fui atrás disso. Acho que é bem tranquilo se virar sem o fotômetro depois que acostumamos com as analógicas manuais e o resultado no filme deu bastante certo.

Sp-2

Para focar, a lente tem uma chavinha, que torna bem simples o processo, mas o rangefinder no visor não é tão claro quanto eu gostaria, e o foco foi o ponto no qual eu mais me bati. Gostei do resultado do primeiro filme, achei que minhas combinações de velocidade e abertura deram certo, com sucesso até em fotos noturnas. Mas o foco foi a questão crucial, e como quero levar essa câmera nas férias (pois ela é bem mais leve e pequena que a minha favorita Canon AT-1) vou precisar praticar mais até pegar o jeito. Até porque, nas fotos que eu consegui acertar o foco, ele ficou muito preciso.

Mas, sem mais mimimi de foco, vamos às fotos!

340187DANIELE1-R1-30-6A

Meu sobrinho, #jimidogueto.

340187DANIELE1-R1-27-9A

340187DANIELE1-R1-24-12A

Sempre peço pro Ed tirar fotos minhas e ele se bate com o foco manual, dessa vez deu certo. ;)

340187DANIELE1-R1-26-10A 340187DANIELE1-R1-20-16A 340187DANIELE1-R1-17-19A 340187DANIELE1-R1-16-20A 340187DANIELE1-R1-06-30A 340187DANIELE1-R1-05-31A 340187DANIELE1-R1-03-33A

Ah! O filme que eu usei foi o superbásico Kodak Ultramax, que é bem previsível e ótimo para testes.
É isso. ;)

 

Primeira revelação: Olympus Trip 35

Trip-3

A Olympus Trip 35 é mais uma câmera que veio de São Paulo. Encontrei ela na feira de antiguidades do Bixiga, com um simpático senhor que tinha algumas delas em bom estado para vender. Aqui em Curitiba eu já tinha encontrado algumas, mas sempre em péssimas condições. Não lembro ao certo quanto paguei, mas acho que foi algo em torno de R$ 50 ou 60, o que é uma bagatela pelo estado da pequena.

Essa câmera foi produzida do final dos anos 1960 até metade da década de 1980. O mais legal é que ela não precisa de bateria e ainda assim oferece um fotômetro. Ele é de selênio, o que significa que tem vida útil limitada, mas quanto mais tempo ele ficar protegido por uma capinha ou tampa na lente, melhor. O André, do Queimando o Filme publicou um vídeo bem completo e interessante sobre essa câmera. Ela é pequena, leve, fácil de manusear e possui um modo automático bem funcional. A abertura varia de f/2.8 a f/22 e ela tem quatro pontos de foco. Em suma, uma compacta muito legal e com resultados mais legais ainda – e eu tive a sorte de encontrar uma delas com o fotômetro ainda funcionando.

Trip-4

O primeiro filme que utilizei foi um Kodak 400TX, preto e branco. Fotografei a maior parte dos frames em abertura 2.8, mas também utilizei o modo automático e gostei do resultado, tanto em ambientes abertos quanto fechados. A única questão que não me conquista é, definitivamente, o foco. Não poder controlá-lo com precisão é algo que realmente me perturba (e por isso eu comprei a Olympus SP logo na sequência, mas isso fica para outro post).

Vamos às imagens!

338434DANIELE-R1-01-2

Modo automático em uma tarde de muita luz.

338434DANIELE-R1-03-4

338434DANIELE-R1-07-8

338434DANIELE-R1-08-9

338434DANIELE-R1-09-10

338434DANIELE-R1-11-12

338434DANIELE-R1-13-14

338434DANIELE-R1-20-21

338434DANIELE-R1-24-25

338434DANIELE-R1-26-27

Algumas fotos em abertura 2.8 ficaram tremidas, mesmo com bastante luz. =/

338434DANIELE-R1-28-29

338434DANIELE-R1-29-30

Retratos da cintura pra cima ficam melhores… Dica que li no Lomogracinha!

338434DANIELE-R1-33-34

 

Ah, ia esquecendo! Pra saber se o fotômetro da câmera está funcionando, coloque ela no modo Automático, cubra a lente inteira com a mão e pressione o disparados. Uma bandeirinha vermelha deve subir no visor da câmera, indicando que não há luz para fotografar. Feito! ;)

Ah, ia esquecendo 2! O visor dela é confiável, fique dentro das linhas brancas e o enquadramento deve ficar bom. ;)